Menos expectativas, mais felicidade

12471266_936861666391033_1507895131_o
Um novo ano começou, época de criar novos planos, objetivos e começar o ano novo com muita expectativa. O ciclo normalmente é o mesmo, criamos planos, sonhamos e corremos atrás da concretização.

Também é época de avaliar se conseguimos o que almejamos, nessa mesma época do ano que passou, conseguimos atender todas nossas expectativas?

Criar objetivos novos, traçar estratégias para alcançá-los é muito saudável. No entanto, não podemos criar muita expectativa. Acredito que tudo que é exagerado na vida, não é bom. A vida não é oito, ou oitenta, e sim tudo que existe entre ambos.

A mensuração da felicidade, entendo que seja uma simples equação matemática.

Felicidade = Realidade – Expectativas

Quanto mais dispostos a aceitar e agradecer tudo que a vida nos proporciona, mais feliz seremos, se nossas expectativas forem exageradas, nunca nos consideraremos felizes.

Expectativas são saudáveis? Sim, desde que na medida certa. O importante é aprender a acertar na medida.

Um belo ano novo de muita felicidade!

Frederico da Luz – 02-01-2016

O que somos?

Quem somos?

Uma construção de expectativas? A forma como nos percebemos? O que a sociedade espera? O que a família espera? O que os amigos esperam? O que realmente somos?

Essas perguntas são o que tentamos ser muitas vezes. A construção de nossa personalidade é formada nesse meio. Sem perceber, vários fatores influenciam nossa formação, na constituição do nosso verdadeiro “eu”.

Viver tentando atender essas inúmeras expectativas é demasiadamente pesado, haverá um momento que perceberemos que é impossível atender a tudo, a partir de então começa a construção de nossa verdadeira personalidade.

Perceber que todas as escolhas que fizemos ao longo da vida são de responsabilidade única e exclusivamente nossa, as consequências dessas escolhas também. Há que se ter coragem para encarar que suas escolhas dependem de você. A família, os amigos, com certeza querem o nosso melhor, no entanto, eles não sabem o que é o melhor para nós, na vida há poucas garantias, então corra riscos, os seus próprios riscos, viva a sua vida arcando com suas próprias escolhas, não terceirizando responsabilidades e decisões, lembre as consequências de todas as atitudes (ou falta de atitudes) serão arcadas única e exclusivamente por você.

Já descobriu quem realmente você é?

Frederico da Luz – 20-05-2015

Vida

Vida

A vida é 8 ou 80 e tudo que fica entre ambos.
O que se leva da vida são as sensações, a alegria de um encontro, o momento difícil de dor, o choro, o riso…

A família que nascemos, a família que construirmos, os amigos, os que nos deixam, e os que deixamos. E cada pessoa que passa pela vida da gente, deixando um pouco de si e levando um pouco de nós.

Tudo na vida tem 2 lados, prós e contras, se não podemos controlar o que a vida nos reserva, podemos escolher o que irá ficar guardado em nossa lembrança e coração.

Escolher, o doce, ou o amargo, a delicadeza, ou indiferença, a tolerância, ou a violência… A vida é isso, que colhamos os frutos que plantamos e que possamos continuamente estar plantando, plantando e plantando…

Uma música muito singela e simples consegue sintetizar muito bem a vida, não encontrei o autor, a letra é assim:

“Vida é chuva, é sol, uma fila, um olá
Um retrato, um farol, que será, que será?
Vida é o filho que cresce, uma estrada, um caminho
É um pouco de tudo, é um beijo, um carinho
É um sino tocando, uma fêmea no cio
É alguém se chegando, é o que ninguém viu
É discurso, é promessa, é um mar, é um rio
Vida é revolução, é deixar como está
É uma velha canção, Deus nos deu, Deus dará
Vida é solidão, é a turma do bar
É partir sem razão, é voltar por voltar
Vida é palco, é platéia, é cadeira vazia
É rotina, odisséia, é sair de uma fria
É um sonho tão bom, é a briga no altar
Vida é o grito de gol, é um banho de mar
É inverno, é verão
Vida é mentira, é verdade
E quem sabe a vida, é da vida, a razão”

Frederico da Luz – 17-03-2014

Medo do espelho

Medo do espelho
Vivemos com medo, de não atender as expectativas dos amigos, da família, da sociedade, de sermos simplesmente nós mesmos. Não necessitamos da aprovação de ninguém, a não ser de nossa própria consciência, de estar em paz.

Para estar em paz, é necessário se conhecer, saber quem realmente é, você sabe? Se conhece o suficiente para ser responsável por sua vida, ou sua vida simplesmente é atender expectativas buscando a aceitação que só você pode dar?

Olhar para si requer esforço. Parar, sentir, perceber, observar o que passa dentro de você é essencial e muitas vezes difícil, podemos fazer de nossa vida o que quisermos, mas chegará um momento em que você olhará no espelho, e se não conseguir encarar a pessoa que você vê, será devastador.

Todos erram, temos que aprender com os erros, e todo dia que nasce é tempo de recomeçar. Olhe para dentro e perceba se a vida que você leva é a que deseja, caso não for, é hora de superar o medo, ou se preparar para encarar o espelho.

Frederico da Luz – 09-01-2014

Meu apartamento em Miami

Prioridades

Reencontrei um amigo que fazia anos que não o via. Muito bom relembrar coisas da adolescência uma importante fase da vida, nostalgia e saudade não faltaram. Conversamos sobre como mudamos com o passar do tempo. As prioridades e os objetivos se transformam, conforme conquistamos o que almejamos, novos desafios aparecem no horizonte.

Ainda bem, vida é movimento, interação, transformação. Viemos para fazer, não para ficar na frente da televisão vendo a vida passar. Um dos assuntos me marcou bastante.

Falávamos sobre prioridades na vida. Estamos divagando entre um choop e outro e ele me contou uma situação. Um cara referência na área dele, certa vez conversava com mais alguns colegas comentando sobre tudo o que ele tinha conquistado na vida.

A conversa foi mais ou menos assim: Dizia que volta e meia se via pensando se toda essa dedicação ao trabalho, abrindo mão do convívio familiar e dos amigos tinha valido a pena. O cara já tem seus 55 anos e tinha chegado à conclusão que sim, e sabem o por quê? Ele tinha conseguido comprar seu apartamento em Miami.

Fiquei abismado com a resposta. Abriu mão de acompanhar os filhos crescerem, da pelada com os amigos, do carinho da esposa em troca de um apartamento? Seja lá onde ele for, não justifica.
O meu apartamento em Miami é poder ver meus filhos crescerem e acompanhá-los nas descobertas da vida, caso os tenha. É poder jogar meu futebol e comer churrasco com os amigos. É ter tempo para namorar, viajar, ler, escrever, enfim… Simplesmente viver.

Você quer um apartamento em Miami? Está disposto a pagar o real preço dele? Qual o seu apartamento em Miami?

Frederico da Luz – 30-06-2012

O conforto da dor

Conforto da dor

Todos temos dificuldades, alguns mais, outros menos, o que difere uma pessoa da outra é como a enfrentamos, onde guardamos ela. Durante a vida são inúmeras situações que nos fazem sofrer. Somos humanos, perdas, frustrações e desencantos fazem parte da vida.

Algumas pessoas lidam com isso de forma rápida e prática, outras precisam de um tempo maior, outras não querem, ou não permitem perder e se afastar dessa dor. Esse é o ponto aonde quero chegar.

Sabem de uma coisa? Apesar de não ser um lugar bom, a dor é um lugar confortável. Antes de ser linchado, deixem-me explicar. A dor que temos, que guardamos, que não conseguimos largar, superar, é confortável, é um lugar conhecido. Sabemos o que ela gera em nós e normalmente o motivo do que nos leva a sofrer.

Óbvio que essa escolha não é racional, consciente e sim uma forma que nos permite seguir confortável, em um lugar não tão bom, mas conhecido, longe das oportunidades e do desconhecido, do novo, das descobertas, enfim da vida…

A vida é feita de ciclos, ficamos felizes, tristes, conquistamos, perdemos, comemoramos, sofremos, passamos por todo tipo de situação, só que a forma como guardamos ou não, nossa dor é o que nos diferencia.

Não há certo, ou errado há sim os que decidem se arriscar no desconhecido, mas nada confortável lugar das descobertas e da evolução, ou dos não corajosos, que preferem o doce conforto da dor…

Frederico A. S. da Luz – 08-06-2012

Caminhos e expectativas

Expectativas
Viver sem expectativas é bom? Sim, e não.

Sim, porque vivendo dessa forma o que vier é lucro, usando um ditado popular. Não, porque dessa forma não almejamos nada, ou seja, não nos esforçaríamos para chegar a algum lugar.

Refletindo sobre o tema, acho que como tudo na vida, não é uma resposta de 8, ou 80. A vida apesar de ter extremos, a maior parte do tempo acontece no meio de ambos.

Entendo que seja interessante almejarmos e sonharmos, ou seja, criar algumas expectativas e realizar movimentos para que estas se concretizem. Só temos que saber que apesar de todos os esforços, às vezes elas não acontecem.

E apesar de queremos chegar a determinado lugar, a vida nos leva a outro. Explicação para isso? Não sei se há, acho que tudo que a vida nos proporciona serve para crescer, evoluir e apesar de muitas vezes nossas expectativas não serem atingidas, temos que estar tranquilos que o caminho a seguir foi o correto.

Como teremos segurança em saber isso?
Não teremos, a vida é uma caixinha de surpresa.
Temos que estar preparados e saber lidar com os extremos, bem como as variações mínimas que compreendem nosso cotidiano, trabalho, amigos e família que são as relações que nos dão energia para seguir em frente, mesmo sem saber se o caminho é o correto, e se as expectativas serão alcançadas.

O bom da vida é isso, é termos a certeza da incerteza. E nos permitir curtir e alcançar o esperado às vezes, bem como se surpreender e aproveitar o diferente, o que não estava planejado, sempre trilhando seu próprio caminho.

Frederico da Luz – 26-07-13

Sentimentos e o futebol

Futebol
Um jogo fascinante onde a lógica, às vezes se inverte. O esporte mais popular do mundo serve para refletirmos sobre a vida, emoções e sentimentos. Uma partida de futebol é mais que um simples jogo, são 22 pessoas tentando mostrar que a arte existe, imaginação, sonho e desejo podem se concretizar.

Milhares de pessoas unem se em torno de um time, diferentes ficam iguais. Todos têm a solução para o time, cada um se sente um treinador, pobre treinador. Os jogadores ou são tudo, ou nada, o céu e o inferno encontram-se em uma linha tênue, onde a vitória e a derrota podem ser definidas em um chute, um drible, um descontrole, uma malandragem, ou em um simples apito. A terapia do povo é torcer, xingar a mãe do arbitro é um dos melhores remédios para o estresse.

Quem quando criança não sonhou em ser jogador, virar um ídolo, entrar em um estádio lotado e fazer o gol do título. Em nosso país esse sonho ainda é mais frequente. O futebol é ainda uma importante forma de inclusão social, onde a vida de muitos pode mudar desde que se tenha qualidade e sorte.

Um esporte onde jogadores tornam se mitos. Torcedores vão do êxtase a frustração em 90 minutos, tudo isso gira em torno de uma bola e 22 jogadores que decidem a guerra civilizada dos tempos modernos, onde cada jogo é uma batalha, onde a lógica, nem sempre prevalece.

O futebol é isso, um pouco de tudo, como a vida, onde cada um quer vencer a sua batalha diária, com muita arte, imaginação e sentimento.

Frederico da Luz

Páscoa, momento de renascimento?

Coelhos

Reunir a família e celebrar é uma das alternativas para a páscoa, em minha opinião, a melhor. A comemoração indica a ressurreição de Jesus para os católicos. Não sou religioso, tenho uma crença em algo superior, não personificado em um Deus. A época serve para refletirmos sobre algumas coisas, digamos “mortas” na nossa sociedade de hoje, por que não tentar ressucitá-las?

Hoje vivemos correndo. Não temos mais tempo para um bom dia para o vizinho, nem sabemos quem é nosso vizinho; um elogio ao colega de trabalho, pois muitas vezes não conhecemos o colega, apenas o profissional.
Passear com nosso bicho de estimação, para quê? Se podemos contratar alguém para isso.

Cadê a gentileza com os outros? Estamos hoje tão imersos em nossos próprios problemas que esquecemos simplesmente de viver, curtir o que realmente importa.

Por que não ressucitar a delicadeza com o outro? A atenção com o filho? O carinho com os pais? Por que ao invés do xingamento no trânsito, não utilizamos a cortesia? Mudanças de atitudes simples, talvez gerassem mudanças significativas em nossa vida. Será que não vale tentar?

Que o coelho da páscoa (até hoje não entendi, o que ele tem haver com a páscoa, e ainda ovos? O coelho não os põe certo?) traga muita alegria e felicidade, que venha com muita energia para ressucitarmos velhos e bons hábitos, como a simples, velha e muito boa educação.

Frederico da Luz – 31-03-2013

Nossos “pré” conceito

Diferente e Lindo

Algumas experiências, na vida, trazem consigo uma oportunidade de aprendermos e crescermos. Todas experiências, eu diria. E com base em experiências frustradas, definimos o que nos serves, e o o que parece que não foi feito para nós.

E assim, ouvindo as histórias de outras pessoas, vamos tendo a certeza de que não queremos certas coisas na nossa vida, porque não queremos as dores que elas trazem, baseando-se nas experiência vividas por outra pessoas. E então, vamos formulando nossos “pré” conceitos sobre todas as coisas…

E tem ainda aqueles conceitos padrões que levamos como verdade por dar ouvidos demais a voz da sociedade. Da sociedade? Não, a sociedade não tem voz. A voz é da culpa ou do medo interior de ser rejeitado, por não seguir a ordem normal das coisas…. Ordem normal? Quem diz o que é ordem normal?

Em geral todos nós, pessoas de sentimentos, queremos evitar experiências dolorosas, e com base no que ouvimos vamos formando padrões de comportamento. E nesta linha, ficamos às vezes tão preocupados em evitar certas dores que não nos damos conta de que em todo o caminho, mesmo o mais regrado que seja, mesmo aquele que esteja perfeitamente de acordo com os “pré” conceitos por nós formados, trarão dores que teremos que enfrentar…

Não existe um caminho que seja só de glórias e alegrias, simplesmente porque precisamos das dificuldades para viver… Precisamos refletir, interiorizar, mudar.. caso contrário teremos uma vida estagnada, e, ainda que perfeitinha… será monótona e enfadonha..

O que quero dizer com isso é que, buscando evitar as cruzes, aplicamos os “pré” conceitos e padrões formulados, e com isso, muitas vezes, afastamos oportunidades maravilhosas de conhecer novas pessoas, trabalhos, atividades, lazer que, embora não se enquadram no nosso “plano”, podem trazer consigo aquilo que de mais importante buscávamos… mas nossos falsos “padrões” nos impediam de ver…

Por isso, se o momento da vida pede mudança; se a espera por algo que se deseja está se tornando penosa demais, pode ser que o nosso sonho, nosso ideal, esteja exatamente ao nosso lado, mas embrulhadinho num pacote feio que, pelo nosso “pré” conceito, não nos permitimos abrir.

A vida sempre quer trazer maravilhas e bom momentos para nós. Mas muitas vezes é necessário sepultar o peso dos “pré” conceitos, para nos permitirmos viver o que de bom a vida quer trazer.

Josi Sonagli