Nosso lar e a alma em ordem

lar-1
A harmonia do lar não depende da quantidade de coisas, mas do quanto alegra os nossos olhos. Essa sentença categórica revela como o ambiente do lar é fundamental para as nossas vidas.Por exemplo, dizem que, se precisamos mudar alguma coisa na vida, um bom começo é trocar os móveis de lugar. Dessa forma lúdica, entramos em contato com as nossas próprias emoções e damos início a uma arrumação que atua de fora para dentro.

Arrumar a casa é uma forma de fortalecer seu poder de decisão.

Acabar com a bagunça parece ser uma tarefa intuitiva. A ideia de organizar, hoje em dia,tem mais a ver com o descartar ou escolha consciente do que merece ficar. Uma forma inteligente de selecionar, é fazer a pergunta: Esse item realmente traz felicidade para o meu atual momento?

Organizar as coisas exige prioridade. Organizar dá início a uma conversa com a gente mesmo. Fazemos um inventário do que realmente gostamos e chegamos ao entendimento de quem somos e do que queremos ser. Ao colocar ordem no “caos”, você olha para o passado (objeto antigo) e para o futuro (o que vai continuar usando). Tal processo ajuda a elaborar as emoções.

Uma dica que li para iniciar o processo de organização é começar por aquilo que se pode usar (roupas e acessórios), seguir para o que tem valor informativo (livros, recibo)e, por último, encarar os do setor emocional (fotos, presentes).

Conclusão que cheguei, ao manter a ordem no lar, eu enxergo que tenho muito mais do que imagino – e provavelmente, do que não preciso. É hora de descartar. Livrar-se de algo não é tarefa fácil. Creio que é fundamental adotar uma relação positiva em relação a eles. Agradecer a cada objeto pelo importante papel desempenhado em nossa vida e permitir que ele vá. Quando agradecemos os objetos, valorizamos o que temos. Eles duram mais e tendem a ser guardados com carinho nos lugares certos. Isso economiza dinheiro e tempo. “Uma atmosfera de amor em sua casa é muito importante. Faça tudo que puder para criar um lar tranquilo e com harmonia” (Dalai Lama).

Autor José Renato Ferraz da Silveira

Anúncios

Páscoa para renascer

Coragem

O significado da páscoa para os cristãos é a ressurreição de Cristo depois de sua crucificação. A vida é uma constante ressurreição, todo dia estamos recomeçando, a cada novo dia, temos a oportunidade de vivenciarmos sentimentos novos, mudar aquilo que nos incomoda e esta a nosso alcance e refletir sobre aquilo que gostaríamos de mudar, mas não há possibilidade, pois como humanos temos limitações.

Nessa data onde as famílias se reúnem, amigos confraternizam por que não também aproveitarmos para algumas mudanças (ressurreições)? Mudar a forma como tratamos nossos próximos, nossos pais, filhos, e todo nosso circulo de amizade, cobrando menos e aceitando mais. A mudança começa dentro de cada um, mudar dentro, é o primeiro passa para transformarmos o exterior. E o poder de um singelo gesto, de uma pequena mudança tem efeitos gigantescos, proponho, dê o primeiro passo.

Nas nossas relações sempre temos algo “a resolver” por que não aproveitar o momento para resolver? Perdoar, pedir desculpas são atitudes nobres, difíceis muitas vezes, mas de um poder libertador.

Permita nesses dias de confraternização que o amor é o sentimento que predomina para tirá-lo da teoria e aplicá-lo na prática, basta ter coragem e fé, a mudança começa dentro de cada um.

O que você está esperando para dar o primeiro passo?

Uma bela páscoa para todos!

Um Forte abraço!

Frederico da Luz – 18-04-2014

Os verdadeiros ricos

Ricos

Lendo o livro “Armadilhas da Mente” do Augusto Cury, refleti sobre quem é verdadeiramente rico. Quem possui muito dinheiro e pode dispor de todos os bens materiais e recursos que quiser, ou quem consegue sentir, apreciar, as coisas mais singelas da vida, que não custam nada?

Precisamos de dinheiro para atender nossas necessidades, mas o quanto a busca pelo dinheiro nos rouba um tempo precioso. A vida é um show diário, onde as coisas mais belas estão à disposição de todos.
Somos humanos e a vida é sentimento, sensações, o que desperta realmente nosso íntimo, a compra de um carro, ou a experiência de contemplar a beleza única de um por do sol.

Não estou dizendo que comprar um carro, não traga sentimentos bons.Claro que traz, mas se levarmos a vida, curtindo apenas esses momentos, perceberemos que esses sentimentos duram pouco tempo, logo surge um carro melhor, e mais uma vez corremos atrás de mais e mais para que possamos sentir pouco.

Quem vive apreciando esse show diário proporcionado pela natureza, através dos animais, das flores, do dia, da noite, da troca sincera com os outros, com certeza tem uma vida mais feliz e leve.

Existe uma frase muito repetida, e realmente verdadeira:
-A felicidade está nas coisas simples. E felizmente estas são de graça!

Frederico da Luz

Páscoa, momento de renascimento?

Coelhos

Reunir a família e celebrar é uma das alternativas para a páscoa, em minha opinião, a melhor. A comemoração indica a ressurreição de Jesus para os católicos. Não sou religioso, tenho uma crença em algo superior, não personificado em um Deus. A época serve para refletirmos sobre algumas coisas, digamos “mortas” na nossa sociedade de hoje, por que não tentar ressucitá-las?

Hoje vivemos correndo. Não temos mais tempo para um bom dia para o vizinho, nem sabemos quem é nosso vizinho; um elogio ao colega de trabalho, pois muitas vezes não conhecemos o colega, apenas o profissional.
Passear com nosso bicho de estimação, para quê? Se podemos contratar alguém para isso.

Cadê a gentileza com os outros? Estamos hoje tão imersos em nossos próprios problemas que esquecemos simplesmente de viver, curtir o que realmente importa.

Por que não ressucitar a delicadeza com o outro? A atenção com o filho? O carinho com os pais? Por que ao invés do xingamento no trânsito, não utilizamos a cortesia? Mudanças de atitudes simples, talvez gerassem mudanças significativas em nossa vida. Será que não vale tentar?

Que o coelho da páscoa (até hoje não entendi, o que ele tem haver com a páscoa, e ainda ovos? O coelho não os põe certo?) traga muita alegria e felicidade, que venha com muita energia para ressucitarmos velhos e bons hábitos, como a simples, velha e muito boa educação.

Frederico da Luz – 31-03-2013

RECOMEÇO, OUSADIA E FELICIDADE!!

Ousadia
Ano Novo! Vida Nova!
Em verdade, bem sabemos, não é preciso que o calendário mude para que nossa vida seja renovada!

Inovar é, antes de tudo, uma questão de escolha! Ah, sim, não apenas de escolha, mas acima de tudo, de atitude!

Na vida planejamos coisas que vão se realizando… coisas outras realizam-se sem mesmo planejarmos, mas trazem consigo entusiasmo, ânimo, felicidade… aquele sentimento de realização! Aquela sensação surpreendente de que a vida realmente nos entrega tudo aquilo que a gente pede!

Porém, depois de algum tempo, pode ser que nossa conquista perca a utilidade, porque – bem possível – já cumpriu o seu propósito. Mas… ficamos tão acostumados com a realidade desenhada, preso na idéia de que vivemos o sonho, que se a falta de ânimo voltar a bater a nossa porta, chegamos a nos culpar por deixa-la entrar… e então, nos criticamos, e chegamos a pensar que esta nossa tristeza é absurda, porque a vida trouxe tudo que pedimos…

Mas… não será este o momento em que o recomeço quer dar página a nossa vida? Não será a vida querendo dar um sonoro “acorda”?
Penso que a falta de ânimo e o desencanto com a realidade quer fazer brotar em nós uma necessária energia a nos impulsionar para o novo… para um recomeço! As coisas não precisam estar horríveis para queremos um novo caminho! Podemos mudar, pelo simples desejo de querer fazer algo novo! Pela simples ânsia de querer se proporcionar mais momentos de Felicidade! E também de Evolução!

Sim, e se a palavra é Felicidade e Sucesso, todos querem o segredo para encontra-la! Penso eu que o Bem Viver seja equilibrar momentos de Felicidade e Sucesso, com momentos de Luta, ainda que regado de uma dose de dificuldade. E neste instante, se me fosse dado uma única palavra para instigar alguém no caminho da sua Felicidade, eu me atreveria a sugerir a Ousadia!

Ousar uma nova forma de ver a vida; um novo caminho dentro da rotina; ousar a se permitir ver as coisas ao redor sob um novo ponto de vista… ousar a enfrentar o medo, e tentar o que deseja, nem que seja somente uma vez; ousar ouvir o que a voz interior esta ai cutucando na sua mente… e que você insiste em não querer ouvir…
E não me atreveria a fazer tão ousada sugestão, se dela eu não tivesse colhido os bons frutos que ora experimento… Sim, eu ousei.

Ousei a seguir a intuição, a permanecer com os ouvidos firmes naquela estranha voz que falava… ousei a seguir o que ela mandava… e então, me surpreendi!

Ousei a me permitir um novo caminho, porque não colhera os frutos desejados, e com isso, minha raiz de entusiasmo foi secando gradativamente… Desisti? Jamais! Mas porque não abrir os olhos para a realidade ao redor? Ousei a desafiar o caminho traçado…. e então, encontrei uma realização ainda maior!

Recomeçar é bom; recomeçar por vezes é necessário; mas estou certa que na maioria das ocasiões recomeçar exige um grande dose de coragem, uma boa pitada de ousadia, temperada com muita atitude! Ai então, continuaremos colhendo novos e bons frutos, e preenchendo as páginas do nosso álbum de momentos de felicidade.

Josi Sonagli

O que você fez em 2012?

Em 2012 comprei uma bicicleta. Comprei uma bicicleta e decidi ser feliz. Ser feliz significa se autoconhecer, aceitar todas as características entranhadas em nosso DNA e aquelas adquiridas ao longo da vida. Hoje, prefiro potencializar qualidades e trabalhar arduamente para minimizar meus defeitos.

Quando você compra uma bicicleta muitos conceitos mudam…. o vento que sopra no ouvido é uma música e você sente o amor. Amor pela vida, amor por si mesmo e por todos que te rodeiam. As pedaladas te fazem acreditar nas descobertas e que realmente, a simplicidade da vida é o que dá sentido aos dias, às horas e aos minutos. Cada segundo tem seu valor, e, invariavelmente não volta mais.

Casar ou comprar uma bicicleta? Quando você compra uma bicicleta você casa. Sim, eu casei comigo mesma. Casei com meus pensamentos, com minhas vontades e com meu corpo. Aprendi a sorrir mais e a doar sem exigir.

Com a magrela aprendo que posso ser um nada entre os 7 bilhões de habitantes da Terra, mas que sou muito para aqueles que comigo convivem. Sou melhor pessoa quando vejo o sol e agradeço por estar aqui.

Fui feliz em 2012, tomei decisões, titubiei e voltei atrás, abracei, chorei, sofri e fiz sofrer. Algumas vezes não tomei decisão nenhuma e as coisas fluíram… colhi flores em jardins alheios, plantei flores no meu próprio e algumas vezes acabei colhendo espinhos. Tudo foi válido.

Inicia-se o mês das reflexões, o mês dos encontros de família, o mês da correria e do balanço final. No último dia do calendário anual tudo é esperança, tudo é motivação e mesmo que com tristezas, no simbólico 31 de dezembro estaremos com nós mesmos, estaremos ali, com nosso coração aberto, desejando que em 2013 tudo seja diferente, ou igual, para os satisfeitos.

Em 2012 comprei uma bicicleta, e sou mais feliz.

Mel

Pais e filhos

Quem são nossos primeiros heróis? Normalmente são nossos pais, do nascimento até a adolescência são as pessoas que temos mais contato. O amor deles por nós é o que dizem ser o “amor incondicional”. Não concordo com essa afirmação. Apesar de saber que fazem tudo que está ao seu alcance para sermos felizes, entendo que de certa forma querem algo em troca, no mínimo um reconhecimento por todo esforço e dedicação em nossa criação que exige muitas renúncias pessoais e entrega.

Ter um filho é uma grande responsabilidade, isso é fato. Os que são planejados, digamos que a tarefa torna-se um pouco mais fácil, até pelo preparo que os pais deveriam ter, mas preparo pra quê? Todos sabem em teoria o que um pai ou uma mãe deve fazer, mas será que estão prontos? Acho que não, entendo que não há receita, nem manual para criar um filho.

Todos nós somos únicos, se dois irmãos recebem a mesma criação vão agir da mesma maneira? Claro que não. Muitos pais se culpam, porque um filho deu certo na vida e outro não. Só não conseguem perceber que não tem controle sobre isso, por melhores pais que tenham sido. A escolha de vencer ou não, é uma escolha pessoal, não há como fugir disso.

Existe também outra questão, o que é felicidade e vencer para os pais, talvez não seja a mesma ideia do filho, já pensaram sobre isso? Talvez o caminho que o filho seguiu era o que realmente queria e se deu bem, é feliz assim. Só que os pais projetam o seu caminho de felicidade nos filhos.

Outro ponto nessa relação é a cobrança que alguns filhos têm sobre os pais quando começam a perceber que os super-heróis que eles projetavam, na verdade não passam de simples pessoas, que erram e acertam como todo mundo. Uma música que retrata muito bem essa questão é a do Legião Urbana:

“Você culpa seus pais por tudo, isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser,
Quando você crescer?”

Essa relação é um eterno aprendizado, em que ambos crescem e amadurecem. A grande questão na verdade é aprender a largar o controle. Cada um é responsável pelas suas escolhas, a felicidade é simples e diferente para cada um, o que é ser feliz pra você?

Será que é o mesmo para seu pai? Ou seu filho?

Frederico A. S. da Luz – 13-11-2012