Tristeza com hora marcada

Mais de uma vez já li e escutei frases como “só é triste quem quer” ou “as pessoas escolhem se fragilizar”. Admito sentir inveja de pessoas que só são tristes com hora marcada, que escolhem a alegria ao invés da tristeza como quem escolhe beber água a refrigerante, sair a ficar em casa. E não falo aqui daquela tristeza momentânea, que às vezes deixamos entrar simplesmente para manter nosso equilíbrio, e que não exige de nós muito mais do que algumas lágrimas ou um colo de mãe para ir embora. Me refiro àquela tristeza descompensada, que surge geralmente quando não estamos preparados para recebê-la, e que dói, dilacera por dentro, sem folga, todos os dias.

Ninguém escolhe perder pai, mãe, esposo (a), irmãos, amigos, e só quem teve alguma(s) dessas pessoas arrancadas de sua vida sabe o quanto dói perder, ao menos aqui na terra, uma parte de si mesmo. Ninguém, em plenas condições, opta pela miséria, pelo abandono, e devo admitir que considero demonstração pura de ignorância julgar pessoas que vivem em tais condições como portadoras de pleno controle sobre a sua dor e o destino dela.

É claro que, independentemente das consequências que elas venham a trazer, somos nós os responsáveis por nossas atitudes. Tomamos decisões erradas, fazemos mal aos outros e a nós mesmos. Agora a tristeza, verdadeira e gratuita, esta ninguém escolhe.

Felizes aqueles que reconhecem isso, que buscam compreender a tristeza do outro ou que ajudam o outro a compreender sua própria tristeza. Fazem isso, pois talvez já a tenham experimentado em algum momento de sua vida e entendem que, independente de quem se aposse dela, não o faz voluntariamente, e que é nessas horas que a empatia, a compaixão e, porque não o amor, devem se mostrar incansáveis.

Patrícia Pinheiro

Anúncios

O DESCONHECIDO

Sabe, um dia, em um desses momentos únicos, em que mergulhamos na infinitude de nossos pensamentos e parecemos esquecer do resto do mundo, minha mente me faz a seguinte pergunta: o que dá sentido a vida?

O que nos faz ter a vontade de levantar todo dia pela manhã e abrir a janela, mesmo quando o sol insiste em não aparecer?Talvez seja uma ousadia, e até mesmo bobagem da minha parte tentar desvendar esse mistério, mas acredito que a resposta dessa pergunta pode ser resumida em apenas uma palavra: o desconhecido.

Já parou para pensar se nossa vida fosse um livro escrito, a partir do qual teríamos acesso não só aos grandes, como aos pequenos acontecimentos de nosso dia a dia?

Sendo assim, você levaria o guarda chuva ao sair de casa, pois saberia que a chuva viria, mas não desfrutaria da sensação única que é sentir ela escorrendo pelo seu corpo.

Você não tomaria as decisões erradas, mas também não teria a chance de adquirir o amadurecimento que, muitas vezes, só elas são capazes de nos fornecer.

Não escolheria se apaixonar e se envolver com alguém que, segundo seu livro, irá te fazer sofrer, porém não traria consigo lindas lembranças dos momentos que dividiram juntos.

Felizmente não é assim. Somos convidados cada dia a ir deitar sem saber o que esperar do dia de amanhã. E é isso, esse total mistério e infinitude de possibilidades que nos dá, se não o sentido, a vontade de viver.

A vida pode até ser um livro, mas somos nós que pegamos o lápis e o preenchemos a cada dia com nossas constantes descobertas daquilo que, até então, era desconhecido.

Patrícia Pinheiro