Pais e filhos

Quem são nossos primeiros heróis? Normalmente são nossos pais, do nascimento até a adolescência são as pessoas que temos mais contato. O amor deles por nós é o que dizem ser o “amor incondicional”. Não concordo com essa afirmação. Apesar de saber que fazem tudo que está ao seu alcance para sermos felizes, entendo que de certa forma querem algo em troca, no mínimo um reconhecimento por todo esforço e dedicação em nossa criação que exige muitas renúncias pessoais e entrega.

Ter um filho é uma grande responsabilidade, isso é fato. Os que são planejados, digamos que a tarefa torna-se um pouco mais fácil, até pelo preparo que os pais deveriam ter, mas preparo pra quê? Todos sabem em teoria o que um pai ou uma mãe deve fazer, mas será que estão prontos? Acho que não, entendo que não há receita, nem manual para criar um filho.

Todos nós somos únicos, se dois irmãos recebem a mesma criação vão agir da mesma maneira? Claro que não. Muitos pais se culpam, porque um filho deu certo na vida e outro não. Só não conseguem perceber que não tem controle sobre isso, por melhores pais que tenham sido. A escolha de vencer ou não, é uma escolha pessoal, não há como fugir disso.

Existe também outra questão, o que é felicidade e vencer para os pais, talvez não seja a mesma ideia do filho, já pensaram sobre isso? Talvez o caminho que o filho seguiu era o que realmente queria e se deu bem, é feliz assim. Só que os pais projetam o seu caminho de felicidade nos filhos.

Outro ponto nessa relação é a cobrança que alguns filhos têm sobre os pais quando começam a perceber que os super-heróis que eles projetavam, na verdade não passam de simples pessoas, que erram e acertam como todo mundo. Uma música que retrata muito bem essa questão é a do Legião Urbana:

“Você culpa seus pais por tudo, isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser,
Quando você crescer?”

Essa relação é um eterno aprendizado, em que ambos crescem e amadurecem. A grande questão na verdade é aprender a largar o controle. Cada um é responsável pelas suas escolhas, a felicidade é simples e diferente para cada um, o que é ser feliz pra você?

Será que é o mesmo para seu pai? Ou seu filho?

Frederico A. S. da Luz – 13-11-2012

Anúncios

O “cárcere” feminino

A mulher ganha cada vez mais espaço na sociedade, conquista cada vez mais lugar de destaque nas organizações. A mulher tem uma sensibilidade, um “feeling” que, normalmente, o homem não o tem; também uma empatia muito mais desenvolvida que possibilita um grande diferencial.

Atualmente, quem não souber se relacionar com pessoas esta fora do mercado. Apesar da sociedade atual gerar ilhas individuais devido à tecnologia e uso excessivo do computador, as grandes decisões são tomadas em grupo, felizmente à máquina nunca substituirá o discernimento e a capacidade do homem.

Devido a esse espaço que a mulher vem conquistando, seu tempo se tornou cada vez mais raro. Além de ter que disponibilizá-lo para suas conquistas recentes, como trabalho, desenvolvimento pessoal e profissional, ela também tem que cuidar da casa, dos filhos e de si própria.

Esse é o ponto. Hoje cada vez mais a questão estética tem grande peso, ou seja, é exigido e cobrado das mulheres que estejam sempre lindas e impecáveis. Qual o real preço disso? A mídia exulta e potencializa as mulheres lindas, perfeitas, malhadas, felizes. Elas existem realmente? Mesmo as mulheres que estão no meio artístico – e por questão profissional devem estar em forma – não têm essa perfeição que a mídia e a sociedade vendem como ideal, no fundo, são mulheres simples, que também têm obrigações com a família.

O tempo que as mulheres investem para estarem sempre lindas e perfeitas é algo a ser repensado: horas de academia e salão não seriam melhor aproveitadas de forma diferente?

Não me entendam mal, acho que as mulheres devem se arrumar e se preocupar com a beleza, o que me preocupa, é o tempo excessivo que algumas gastam com isso, buscando a perfeição vendida pela mídia e sociedade, que na verdade não existe. Nem mesmo as atrizes e modelos que vivem disso recorrem ao hoje tão famoso FotoShop, porque a mulher de “verdade” não aceita suas características e sua individualidade única?

A beleza da mulher não é apenas física, e sim composta de sua personalidade única, que cada uma tem, pelo seu senso de humor, sensibilidade, carisma, seu trato com as pessoas; tudo isso reflete no seu aspecto físico, hoje tão cobrado. Quando as mulheres descobrirem e visualizarem que cada uma tem uma beleza única e que não necessita desse parâmetro vendido pela sociedade, elas estarão livres do “cárcere” a que hoje estão impostas.

Frederico da Luz – 22-11-2010