Sobre amar e sobre o amor

    Amor
    A tristeza está no ar, e o que precisamos é falar sobre o amor. Sim, o amor está também nos momentos tristes. Ele desperta a solidariedade, a compaixão e nos une como irmãos, nos faz sentir fortes, ou no mínimo, acolhidos e confortáveis.

    O costume de sermos amáveis é uma escolha. Logo, ao despertar pela manhã, seja capaz de selecionar o amor como roupa de baixo. Cada sorriso que oferece ao seu próximo, cada palavra confortante e olhar atencioso servirá como um alimento que faz crescer no seu coração algo maior, algo positivo.

    Desconheço uma explicação razoável para esse sentimento, e nem pretendo defini-lo, sentir já é o bastante. Tão grande e tão particular essa experiência divina me faz melhor.
    O amor é uma escolha!

    Comece amando você mesmo, suas atitudes, suas vontades e seus defeitos… Observe atentamente e procure em você o que te faz melhor, aquilo que te deixa mais feliz e mais seguro. Então, sinta Deus, e pense na sua capacidade de amar a todos nós, pense na energia superior e na capacidade de transformação que ela nos proporciona.

    Ou, simplesmente não pense em nada e deixe o amor te guiar. Descubra a fé… E por fim, não julgue nada e ninguém, não procure culpados, apenas observe.

    Nesse momento, você será capaz de amar aos outros seres e sentirá aquilo que só o amor é capaz de proporcionar: paz.
    Ah, já estava esquecendo: escute as crianças… São mestres no amor!

    Mel

    Anúncios

Pais e filhos

Quem são nossos primeiros heróis? Normalmente são nossos pais, do nascimento até a adolescência são as pessoas que temos mais contato. O amor deles por nós é o que dizem ser o “amor incondicional”. Não concordo com essa afirmação. Apesar de saber que fazem tudo que está ao seu alcance para sermos felizes, entendo que de certa forma querem algo em troca, no mínimo um reconhecimento por todo esforço e dedicação em nossa criação que exige muitas renúncias pessoais e entrega.

Ter um filho é uma grande responsabilidade, isso é fato. Os que são planejados, digamos que a tarefa torna-se um pouco mais fácil, até pelo preparo que os pais deveriam ter, mas preparo pra quê? Todos sabem em teoria o que um pai ou uma mãe deve fazer, mas será que estão prontos? Acho que não, entendo que não há receita, nem manual para criar um filho.

Todos nós somos únicos, se dois irmãos recebem a mesma criação vão agir da mesma maneira? Claro que não. Muitos pais se culpam, porque um filho deu certo na vida e outro não. Só não conseguem perceber que não tem controle sobre isso, por melhores pais que tenham sido. A escolha de vencer ou não, é uma escolha pessoal, não há como fugir disso.

Existe também outra questão, o que é felicidade e vencer para os pais, talvez não seja a mesma ideia do filho, já pensaram sobre isso? Talvez o caminho que o filho seguiu era o que realmente queria e se deu bem, é feliz assim. Só que os pais projetam o seu caminho de felicidade nos filhos.

Outro ponto nessa relação é a cobrança que alguns filhos têm sobre os pais quando começam a perceber que os super-heróis que eles projetavam, na verdade não passam de simples pessoas, que erram e acertam como todo mundo. Uma música que retrata muito bem essa questão é a do Legião Urbana:

“Você culpa seus pais por tudo, isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser,
Quando você crescer?”

Essa relação é um eterno aprendizado, em que ambos crescem e amadurecem. A grande questão na verdade é aprender a largar o controle. Cada um é responsável pelas suas escolhas, a felicidade é simples e diferente para cada um, o que é ser feliz pra você?

Será que é o mesmo para seu pai? Ou seu filho?

Frederico A. S. da Luz – 13-11-2012