Os verdadeiros ricos

Ricos

Lendo o livro “Armadilhas da Mente” do Augusto Cury, refleti sobre quem é verdadeiramente rico. Quem possui muito dinheiro e pode dispor de todos os bens materiais e recursos que quiser, ou quem consegue sentir, apreciar, as coisas mais singelas da vida, que não custam nada?

Precisamos de dinheiro para atender nossas necessidades, mas o quanto a busca pelo dinheiro nos rouba um tempo precioso. A vida é um show diário, onde as coisas mais belas estão à disposição de todos.
Somos humanos e a vida é sentimento, sensações, o que desperta realmente nosso íntimo, a compra de um carro, ou a experiência de contemplar a beleza única de um por do sol.

Não estou dizendo que comprar um carro, não traga sentimentos bons.Claro que traz, mas se levarmos a vida, curtindo apenas esses momentos, perceberemos que esses sentimentos duram pouco tempo, logo surge um carro melhor, e mais uma vez corremos atrás de mais e mais para que possamos sentir pouco.

Quem vive apreciando esse show diário proporcionado pela natureza, através dos animais, das flores, do dia, da noite, da troca sincera com os outros, com certeza tem uma vida mais feliz e leve.

Existe uma frase muito repetida, e realmente verdadeira:
-A felicidade está nas coisas simples. E felizmente estas são de graça!

Frederico da Luz

Anúncios

Humildade

Imagem

O que é humildade para você?

Entendo que seja uma forma de poder. Sim, de poder. Os humildes sabem que apesar de tudo que fizerem, ainda sim são limitados, por saber dessa limitação são pessoas poderosas. Sabem que a diferença entre as pessoas é tênue demais para dar lugar a soberba, ao orgulho. A virtude dos humildes é sempre manter os pés no chão.

Status, dinheiro e poder são importantes? Acho que sim. Só estão longe de ser fundamentais. A pessoa que acha que isso os diferencia em relação aos outros está se esquecendo que isso são apenas detalhes.

Uma história que li, não lembro onde falava o seguinte:

Um professor reuniu seus alunos em sua casa, cada aluno recebeu uma xícara diferente, algumas eram luxuosas, outras mais simples e algumas até feias, mas em todas foi servido um gostoso chocolate quente. E comentou:

– A vida é assim, alguns terão “muito”, outros terão “pouco”, no entanto o essencial estará disponível para todos, algo a ser desfrutado como esse agradável chocolate quente.

Penso que realmente a vida é assim, os sentimentos, as sensações, a natureza tudo que realmente importa está ao alcance de todos. Os bens materiais, status e poder de posse de alguns, o que realmente diferencia uma pessoa da outra? O que ela tem? Ou o que ela é?

Os poderosos são os humildes…

Frederico A. S. da Luz – 15-01-2013

A ficção do dinheiro

Nos tempos atuais, onde as coisas mudam a cada segundo, o que nos faz estar em constante atualização, o tempo sempre parece escasso. Não conseguimos tempo pra mais nada, e pra que tudo isso? Para podermos ganhar mais? Será que isso irá nos trazer algum real benefício?

Essa vida “louca” que aparentemente o mundo nos impõe, decorre principalmente dessa inquietação que o dinheiro gera, quem tem pouco, quer mais, quem já tem algum, julga que não é suficiente, e que tem muito, não se contenta e busca sempre uma forma de aumentar sua riqueza. E mais uma vez para quê? Temos algum objetivo que nos move para isso, ou simplesmente o ter é o fim?

Isso ocorre, pois não conseguimos parar para refletir sobre algumas coisas, nosso tempo é raro, e quando percebemos estamos indo para um caminho que não leva a lugar nenhum.

Dinheiro é bom? Não tenho dúvida que sim, mas será que deve ser o objetivo de uma vida? Acho que devemos valorizar o que realmente de bom e de útil ele pode nos proporcionar, e não o que podemos adquirir com ele, ai esta o ponto.

Essa corrida em busca dele, faz cada vez mais isolarmos uns dos outros, pois cada um quer saber do seu, dos seus problemas, e a coletividade, onde fica nessa história? Já tenho muitos problemas, não quero mais uma responsabilidade.

Se minha família e meus amigos estão bem e com dinheiro, está tudo ótimo. É essa filosofia de vida que queremos passar para nossos filhos? Ela esta certa?

O Conceito de certo e errado varia conforme o pensamento de cada um, no entanto, temos que nos olhar como seres únicos em que os parâmetros e comparações com os outros, só nos levam a constante insatisfação, pois NUNCA seremos igual a ninguém, o parâmetro se for usado deve ser você, devemos ser o melhor do que podemos ser.

E onde o dinheiro se encaixa nessa história? Você sabe?

Frederico da Luz – 08-08-2010