REFORMA DO CÓDIGO PENAL: o problema está na lei ou na educação?

Cadeia
Um tema que atualmente tem sido objeto de discussões na mídia, nos meios acadêmicos e sociais, é a necessidade de reforma do Código Penal.

Muito estudiosos do tema debruçam-se sobre um amplo estudo sociológico e jurídico, com o objetivo de introduzir na ordem jurídica leis que possam efetivamente reduzir a criminalidade.

Afirma-se que o Brasil “é o país da impunidade”, motivo pelo qual a criminalidade é crescente! A partir de tal constatação, o poder público, juntamente com a sociedade, mobiliza-se para promover mudanças legislativas, e aplicar uma punição mais severa.

Porém, neste quadro, ocorre-me um questionamento? É de fato a impunidade o elemento principal do avanço da criminalidade? Quais as reais razões que levam um indivíduo a praticar uma conduta criminosa?

Suponhamos que eu ou você estejamos diante de uma pessoa de quem temos uma raiva absurda, e esta pessoa faz uma provocação ou pratica diversas condutas que nos causam prejuízos e dissabores. A nossa reação imediata, muitas vezes, é querer dar uma surra ou um sumiço na pessoa!

Porém, se consideramos que somos pessoas bem instruídas, e como consequência temos diversos planos de vida, de viajar, de adquirir coisas, bem viver.. nós teremos um controle imediato sobre nossos instintos, pois sabemos que há coisas muito melhores a serem vivenciadas.

É verdade que pessoas bem instruídas também cometem crimes, bem sabemos. Porém, o que leva uma pessoa que tem um mínimo de cultura e visão social deixar de praticar crimes: o medo efetivo da reprimenda ou o temor de ter que mudar todos os planos de vida?

A educação, a cultura, instigam a atividade criativa; despertam as pessoas para idealizar metas, desejar determinado estilo de vida, e isso independentemente no nível socioeconômico: cada qual idealiza as metas que bem entende, e segue atrás do seu caminho.
Porém, um indivíduo sem a menor cultura, sem qualquer objetivo de vida, vai temer o que?

Por mais rígidas que sejam as leis penais, mas diante da intensificação das campanhas em prol dos Direito Humanos de todas as pessoas, dificilmente um indivíduo vai sofrer as reprimendas em grau máximo, sempre sendo possível, ainda, favorecer sua condição por um benefício aqui e outro ali.

Sem educação, um indivíduo não tem a percepção de desejar um nome limpo; não tem uma concepção moral formada a ponto de compreender que praticando um crime (seja homicídio, seja tráfico de drogas, etc, etc), estará destruindo a vida de muitas pessoas relacionadas com a vítima direta de sua conduta….

Sem educação e cultura… o indivíduo não tem percepção do que significa respeito… mas principalmente.. não tem um objetivo de vida a ser alcançado.

E se não há ideais e sonhos a serem perseguidos, não tem nada a perder. Não fará diferença responder um ou mais processos, ou passar um tempo a mais privado da liberdade, já que não terá mesmo nada mais interessante para fazer…

E se desafiar a lei e a sociedade podem trazer alguma satisfação pessoal , ainda que apenas pelo gosto do desafio.. a tendência é que o indivíduo continue a delinquir até que desenvolva uma percepção de que existem coisas muito mais prazerosas a serem feitas. Pois bem, eis a questão: como um indivíduo vai aprimorar a sua percepção sem um mínimo de cultura e educação?

As pessoas movem-se por aquilo que lhes desperta o interesse! O medo punição pode fazer com que as pessoas cuidem mais de suas ações… mas enquanto a prática do crime for a única coisa que desperta emoção no indivíduo, será, um lei mais severa, capaz de fazer alguma diferença?

Josi Sonagli

O que você fez em 2012?

Em 2012 comprei uma bicicleta. Comprei uma bicicleta e decidi ser feliz. Ser feliz significa se autoconhecer, aceitar todas as características entranhadas em nosso DNA e aquelas adquiridas ao longo da vida. Hoje, prefiro potencializar qualidades e trabalhar arduamente para minimizar meus defeitos.

Quando você compra uma bicicleta muitos conceitos mudam…. o vento que sopra no ouvido é uma música e você sente o amor. Amor pela vida, amor por si mesmo e por todos que te rodeiam. As pedaladas te fazem acreditar nas descobertas e que realmente, a simplicidade da vida é o que dá sentido aos dias, às horas e aos minutos. Cada segundo tem seu valor, e, invariavelmente não volta mais.

Casar ou comprar uma bicicleta? Quando você compra uma bicicleta você casa. Sim, eu casei comigo mesma. Casei com meus pensamentos, com minhas vontades e com meu corpo. Aprendi a sorrir mais e a doar sem exigir.

Com a magrela aprendo que posso ser um nada entre os 7 bilhões de habitantes da Terra, mas que sou muito para aqueles que comigo convivem. Sou melhor pessoa quando vejo o sol e agradeço por estar aqui.

Fui feliz em 2012, tomei decisões, titubiei e voltei atrás, abracei, chorei, sofri e fiz sofrer. Algumas vezes não tomei decisão nenhuma e as coisas fluíram… colhi flores em jardins alheios, plantei flores no meu próprio e algumas vezes acabei colhendo espinhos. Tudo foi válido.

Inicia-se o mês das reflexões, o mês dos encontros de família, o mês da correria e do balanço final. No último dia do calendário anual tudo é esperança, tudo é motivação e mesmo que com tristezas, no simbólico 31 de dezembro estaremos com nós mesmos, estaremos ali, com nosso coração aberto, desejando que em 2013 tudo seja diferente, ou igual, para os satisfeitos.

Em 2012 comprei uma bicicleta, e sou mais feliz.

Mel

A BELA HISTÓRIA QUE EU QUERIA ESQUECER

Havia uma história que eu queria esquecer.
Não que não fosse uma boa história, mas, como tudo na vida, ela chegara ao fim.
E então, era preciso arrancar as raízes do aterro da alma, para que, livre, a alma pudesse viver novas histórias.

Mas o que fazer, se a história não te liberta? Se as raízes mais parecem feitas de concreto, do que de lembranças?

Desapegar é preciso; porém não é fácil. Decidi utilizar diversos recursos.

Outrora, uma estimada amiga – pessoa de grande espiritualidade – disse-me que nos momentos mais cruéis da vida podemos recarregar as forças com a energia divina, e utilizar, para isso, os recursos da natureza. Disse-me ela para que, quando eu sentisse necessidade, me colocasse em contato com os quatro elementos da natureza: terra, fogo, água e ar, ao mesmo tempo.

Sim sim, na teoria tudo belo, bonito e interessante. O apreciar a natureza – algo que me é próprio – fez com que eu achasse isso tudo muito lindo. Então.. pensei… “a idéia é boa sim, mas dá muito trabalho”.

A complexidade de cada coisa é algo que a gente define a medida de nossa necessidade. E, sendo assim, no ápice do meu desespero, a ideia já não me pareceu tão trabalhosa assim.

Não era verão ainda, mas morar em uma cidade de praia te deixa pertinho das forças da natureza, em qualquer estação do ano. Fui para uma praia.

“Terei ar, terei terra (areia), terei água”, pensei. O fogo, naquele momento, era o meu principal elemento: reunir as coisas materiais que transformaram em concreto a raiz da história que eu queria esquecer.

E assim, lá fui eu, rumo ao meu último recurso para detonar as belas e cruéis lembranças que me impediam de seguir. Cheguei em uma das lindas praias da cidade, e, como ainda era inverno, o chão de areia era praticamente minha exclusividade. Alguns surfistas pegando onda, raros caminhantes pela praia, e eu, com a história que tinha que apagar.

De posse do material, peguei minha caixinha de fósforo, tentando fortemente acreditar, que alguns simples pedaços de papéis queimados pudessem arrancar do meu coração a história que findara. Fazer uma fogueira na praia não é lá das tarefas mais fáceis. Então, cavei um buraco na areia e lá coloquei tudo aquilo que já me impedia de pensar.

Fogo, para mim, sempre foi sinônimo de pavor. Porém, é incrível como a cada momento, diante de cada necessidade, somos levados a ter uma nova percepção de cada coisa. E então, me vi ali, na imensidão daquela bela praia, sentada naquela areia fina, com uma brisa maravilhosa na face, e minha pequena fogueira, que aos poucos, fazia com que eu descobrisse, no fogo, um instrumento libertador.

Era meio espantoso tudo isso.. de um lado minha alma parecia estar ficando mais leve… de outro… eu parecia uma pessoa muito sem noção, queimando coisinhas em um buraco de areia na praia. Dá para ter noção? Acredite, cheguei até a acender um incenso (sim, consegui) para completar meu ritual! “Se é para apelar, que seja por inteiro”!

Mas, era, simplesmente, uma história que minha mente precisava apagar.

O fogo então acabou… olhei as cinzas das lembranças… imagine… a vontade é querer levar as cinzas embora, junto comigo! Mas olhe, a incoerência! Não fui ali mesmo para apagar? O que mais vou querer carregar, oh céus?!?!

E num ímpeto insano, peguei aquelas cinzas já misturadas com areia, e fui correndo em direção ao mar! Soltei tudo aos ventos, para que a vida levasse o que a alma não deixava, e enfim, me libertasse para o que mais eu ainda ansiava realizar!

Não posso explicar aqui, em palavras, o que senti ao ver o vento levando as cinzas daquelas boas lembranças, mas foi algo surpreendentemente libertador.

Parece sim, coisa louca, uma coisa nada a ver! Sim reconheço! Mas é realmente impressionante o que alguns pequenos gestos podem trazer de revitalizador para nossa alma!

Hoje já não me preocupo mais se as coisas que farei parecerão insanas ou sem sentido; se parecerão perda de tempo ou bobagem! Preocupa-me, apenas, fazer qualquer coisa que traga a paz e o equilíbrio, e que minha alma tenha sempre leveza ao viver!

Josi Sonagli

EXISTE DIREITO A UMA SEGUNDA CHANCE?

Esta semana, uma revista de circulação nacional trouxe como reportagem principal, a análise da vida de pessoas que foram condenadas pela prática de homicídios que chocaram o país, em razão das circunstâncias brutais em que foram cometidos.

Em todos os casos relatados, consta que os indivíduos cumpriram integralmente a reprimenda que lhes fora imposta, considerando-se os benefícios obtidos, de modo que atualmente consideram-se “quitados” com a justiça.

“Paga a dívida”, a reportagem retrata que todos buscaram seguir o rumo, e, após ingressarem no regime semi-aberto, dedicaram-se a caminhos alternativos para reconstruir a vida. Alguns ingressaram na faculdade, formaram-se e seguiram uma profissão; outros converteram-se a uma vida religiosa; alguns com mais facilidades financeiras, outros nem tanto. Mas, em todos os casos, nenhum dos condenados quites com a justiça, voltou a delinquir.

Ao contrário, embora tenham passado mais de 5 anos na prisão, por força do regime fechado, convivendo com vasta gama de marginais, não se contaminaram na universidade da delinquência.

Alguns arrependidos do passado, utilizam-se de recursos para não serem reconhecidos, tais como utilizar sobrenome de casado, ou um segundo sobrenome não divulgado. Outros ouvem silentes as críticas.

Todos, creio eu, gostariam de retirar da alma o fardo que carrega. E assim, buscam, em todos os casos, o recomeçar.

Neste ponto, me ocorre uma necessária análise: é certo que as vítimas não mais retornarão, e por certo a dor das famílias que perderam um ente de forma brutal, jamais cessará. O inconformismo e a revolta poderá, sim, lhes ser uma constante, atingindo inclusive pessoas alheias; pessoas como eu e você, que embora não tenha qualquer envolvimento mais íntimos, toma as dores das famílias das vítimas, e ficam perplexos com a narrativa dos detalhes da cena do crime.

Mas, e quanto aos acusados que cumpriram suas penas, tem estes o direito de recomeçar?

Se a lei dos homens estabeleceu uma reprimenda, de acordo com a estrutura da sociedade, e se o condenado a cumpriu integralmente, qual caminho agora deverá seguir? Pedir para que fique preso perpetuamente? Suicidar-se? Trancafinar-se dentro de casa? Continuar na criminalidade? Ou Recomeçar?

Muitos indivíduos cometem crimes isolados, movidos por um ímpeto de raiva ou de futilidade qualquer, que, após passar o sentimento, podem se arrepender profundamente. Em alguns casos, porém, mesmo cumprida a pena, será impossível retirar da alma toda a dor moral.

E se o indivíduo tenta superar o erro, ressocializando-se, que direito temos de “cutucar” ferida adormecida, para voltar trazer a tona, aquilo que bem queria esquecer? Não seria a dor moral que carregam o suficiente para “puni-los” perpetuamente?

E mesmo carregando o peso de uma culpa, ainda que por um ato insano, não poderá mais a pessoa sorrir? Trabalhar? Deverá sempre esboçar uma figura triste e vazia, com uma placa de arrependimento, para que as pessoas não pensem que não está nem aí?

O que cada um de nós espera, após cometer um erro irremediável: tolerância ou condenação perpétua? Um novo caminho ou o eterno inconformismo?

Penso que em uma sociedade onde a delinquência é quase um hobby, em que muitos entram pela simples emoção de transgredir, e a após, formam-se nas “universidades do crime”, o indivíduo que age em prol de sua ressocialização deve ser visto com outros olhos.

Errar é uma condição inata ao ser humano, tão certa quanto a morte. Desvendar o “porquê” dos erros, pode ser uma missão impossível. Porém, buscar uma solução para contornar o problema será o caminho da evolução.

Longe de ser esta uma manifestação em prol de criminosos – que fique isto bem claro – a proposta é despertar a tolerância e incentivo com aqueles que ousam enfrentar todas as marcas de um crime cometido e se permitiram “recomeçar”.

Afinal, se as pessoas cumpriram a pena que a sociedade lhe impôs, e não voltaram a transgredir, e em especial, buscaram um recomeço longe da delinquência, será necessário reviver por todo o sempre os erros do passado?

Quem nunca errou, que atire a primeira pedra.

Josi Sonagli

QUE TAL UMA VIAGEM?

Para expandir os horizontes da mente… VIAJE!

À medida que se vê quão grande é o mundo… os problemas vão simplesmente reduzindo de tamanho!

Viajar nos coloca em contato com o mundo inteiro, não importa o local para onde estejamos indo! Até mesmo em uma cidade vizinha! E vemos, sempre, muita coisa que nunca vimos… uma correria desenfreada… ou uma quietude que até surpreende,… diferenças culturais que nos trazem uma nova percepção de mundo! Diferentes pessoas, com as quais temos oportunidade de trocar diálogos, ou meras gentilezas, que seja!

E a culinária então.. humm…. adoro muito conhecer novos pratos! É… nisso nem sempre a gente acerta…. mas… faz parte!
Eu particularmente, não desperdiço uma oportunidade de viajar! E se não aparece uma oportunidade, crio uma!

Gosto de unir o útil ao agradável, de modo que adoro viajar tendo um segundo propósito, além do turismo! Mas.. viajar só a turismo… é algo irresistível, não?

Em cada local sempre há um encanto! Uma história ou uma noção de evolução! Um despertar para o progresso ou uma gostosa nostalgia! Um sonho! Não gosto de viajar com roteiro totalmente definido, e muito menos com agência de turismo! Não que não exista um serviço adequado: ao contrário, para quem deixa de viajar por ter medo do novo, se sente inseguro, contratar pacotes é o melhor caminho para fazer algo tão maravilhoso! Mas, o gostoso de viajar é liberdade que isto te proporciona! Um roteiro com algumas ideias é importante.. o resto… a vontade e as emoções vão definindo!

E isso eu digo porque.. bem.. a vida as vezes traz algumas situações que não são exatamente o que desejamos… e cabe a nós a escolha. E, assim sendo, certa vez fui parar em Portugal, por um intercâmbio de um mês! Ocorre que meu maior sonho era conhecer Roma! Ao final do intercâmbio, estávamos livres para viajar. Então, parte do grupo queria ir para Paris, e eu para Roma; eu era um voto totalmente vencido, se quisesse ir em grupo. E assim, quase deixei de realizar meu sonho, porque… imaginem.. eu, na Europa.. andando sozinha por aí… não era algo muito a minha cara! Mas.. sabem o que fiz? Isso mesmo, pensei: “Não estarei feliz subindo na Torre Eiffel, sem antes conhecer o Coliseu”! Nem pensei muito, e fui!

Roma era um sonho que eu nutria desde os 13 anos de idade!! Nunca imaginei que faria isso sozinha! Mas foi uma realização indescritível!!! Uma experiência que incentivo a qualquer um que a vida traga a oportunidade! A vida trouxe o sonhos: era “ir” ou “não ir”… e sendo assim, fiz uma escolha muito feliz!

Mas para que uma viagem seja boa, e engrandecedora, nem precisa ir tão longe! Quantos lugarzinhos maravilhosos há nas proximidades onde moramos, loucos para receber uma visitinha nossa?

Um simples dia em um novo lugar qualquer, pode fazer a alma percorrer milhares de quilômetros!
E não importa quantos dias.. não importa de que modo: de ônibus, de carro, de avião! De moto, ou até bicicleta, por que não?

Se depender de tudo de bom que sempre sinto depois que volto de qualquer viagem, até mesmo das rápidas viagens de final de semana, para assistir as aulas da pós-graduação, minha proposta é apenas esta:

– Permita-se! Ouse! Viaje!

E depois, conte aí.

Josi Sonagli

DECEPÇÃO!


Quantas decepções vamos colecionando ao longo da vida? Quantas pessoas nos decepcionam por suas atitudes, palavras.. ou pela falta de atitude… por simplesmente não atenderem a nossa expectativa?Quantas pessoas acabam nos trazem sofrimento, angústia, tristeza…
Mas este sentimento de frustação que carregamos, é mesmo culpa alheia?

Eu me lembro da ocasião em que, posso dizer, tive a maior decepção da minha vida em relação a uma pessoa! Era uma pessoa muito estimada por mim, muito querida! Pessoa com a qual eu tinha grande afinidade, e nutria grande admiração, não só por ela, mas pela família inteira!

E nisso firmamos uma bonita relação de amizade, até que resolvemos ter um negócio, em parceria! Ocorre que, embora tenha sido um período muito produtivo e feliz, chegou um momento que era necessário cada um seguir o seu caminho. E assim, chegando no momento de romper a parceria, eu espera que a pessoa tivesse determinadas atitudes, que não teve.

Espera que dissesse coisas, que não disse. Esperava que reconhecesse coisas que fiz, e que não fez. E assim.. minha decepção foi tamanha em relação aquela pessoa! Eu não podia acreditar que aquela pessoa fosse incapaz de ter a percepção que eu espera que ela tivesse!

Eu nem queria mais vê-la! Porém, eu, particularmente, sou o tipo de pessoa que gosto de vínculos sólidos, e preso muito pelas pessoas que estimo, de modo que era inaceitável, para mim, naquele momento, não ter mais uma amizade que tanto prezava. E passei a perceber que, se para aquela pessoa estava tudo bem… talvez o problema não estivesse mesmo com ela… talvez o problema do nosso desconforto, decorrente da minha decepção, fosse apenas meu!

E nisso.. parei para fazer algumas reflexões…. e então percebi que a maior decepção era minha, comigo mesmo… pois estava amargurada com uma pessoa, simplesmente porque ela não teve a ousadia de atender as minhas expectativas.

Ou seja… o problema não estava na outra pessoa… estava em mim mesmo. (E, só para registrar, hoje mantemos intocada nossa estimada amizade, pessoa que, diga-se, admiro muito! )

Pois bem, quem é que está nesta vida para viver de acordo com as expectativas alheias? Ninguém! De fato, cada pessoa carrega em si características que as tornam únicas! Toda pessoa tem uma essência que a torna bela! Algumas vezes agradamos.. outras nem tanto… algumas vezes decepcionamos alguém por inteiro!

Mas, se alguém nos decepciona com suas atitudes, a culpa é do outro?
Penso que a culpa seja de quem espera demais, cobrada demais… esquece de si.. esquece simplesmente estimar uma pessoa pelo que ela é, e pelo que lhe faz sentir… sem depositar excesso de expectativas..

As pessoas deixam de nos decepcionar, quando fazemos a gentileza de lhes tirar dos ombros o pesado fardo das nossas expectativas, e estima-las simplesmente pelo que são.

E você, o que espera das pessoas?

Josi Sonagli

Coragem! Em frente!

Hoje é o Dia! Coragem! Vamos lá, em frente! ENFRENTE!
Persista, Insista! Já já você conquista!
Suporte, só um minuto a mais!

Um dia, um mês, um ano a mais, que seja! Quantos anos já viveu? Quer mesmo?

Resista! Insista! Acredita! FÉ!

Foca! Busca! Se joga! Ouse um pouco mais! Concentre-se um tanto a mais!

Tente uma vez mais!

Não deu mesmo? Tente a segunda! Talvez sejam necessárias várias tentativas!

Cansou? Firmeza, vamos lá, em frente! Só um instante a mais! Está quase lá!

Já esteve tão longe, olhe o caminho já percorrido!

Cansou mesmo? Falta força? Relaxe por um instante! Distraia-se!

Divirta-se! PERMITA-SE!

Reabasteça-se! Faça o que gosta! Procure descobrir o que gosta!
Não perca o foco! Deu de folga! Volta ao prumo! Vamos lá, FORÇA! GARRA! CORAGEM!

Está muito perto de alcançar o seu objetivo! A caminhada de busca faz com que saibamos usufruir melhor, as graças da conquista! VALE A PENA A BUSCA!

Energia! Disposição! Concentre-se no êxtase de viver no sonho realizado!

Tá difícil? Tente um pouco mais! Está muito melhor do que era!

Tá muito difícil? A dificuldade é proporcional ao tamanho dos sonhos e desejos.. sonhos maiores… caminhos mais longos… Tudo é possível! Busca! Corre! REALIZA! Comemora!

CORAGEM! EM FRENTE!

Será que vai dar? VAI SIM!

Vai dar mesmo? Só vai saber indo!

E se não der? Resolve depois!

Concentra! Foca! Em frente! Se não der.. vai ser um grande problema!

Esquece o problema, concentra no caminho! Busca a solução! REALIZA TEU DESEJO! Cresça! Evolua! Permita-se! OUSE!

Não esta dando por este caminho? Há vários, pegue outro! Porque não deu neste caminho? Sei lá, não faz diferença! Pegue logo outro caminho, e AGARRA TEUS SONHOS!

Para, reflete, e siga em frente! CORAGEM! És o arquiteto do teu próprio destino!

Idealiza! Busca! Concentra! Foca! E Realiza!

CORAGEM!! Em frente!

Josi Sonagli

Lições que trazem as crianças!

Passou-se, pois, o Dia das Crianças!

E então, como foi seu dia? Deixou vir a tona um pouco, o seu lado criança? Aquele, de brincar com a vida.. de descontrair! De ser espontâneo.. de dizer o que pensa, com a mais pura delicadeza… De ser sincero, sem ofender! De se permitir conhecer coisas novas… De perguntar o que não sabe… De perguntar de novo, se não entender…

De saber que tem horas que tem brincar e hora de fazer as tarefas… mas que tem sim hora de brincar… de se divertir… e na hora de brincar, pode tudo! Pode fazer o que quer, se vestir como quiser… não precisa se preocupar com o que vão dizer, preocupa-se apenas em ser feliz!

E então, como está o seu lado criança?

O que mais admiro nas crianças é a sua espontaneidade e inocente sinceridade! É uma pena que ao longo dos anos, vamos deixando esta espontaneidade ser substituída por valores e preocupações que muitas vezes sequer nos tornarão pessoas melhores… Vamos largando nossa espontaneidade, por movimentos muitas vezes automáticos… vamos agindo no embalo da multidão, sem nos darmos conta do que realmente nos agrada… do que realmente deixa a nossa a vida mais leve…

Crianças sonham muito, e acreditam fielmente que todos os seus sonhos são possíveis! Se encantam com as pequenas coisa…
E, se algo não mais lhes agrada, batem o pé! Eis a grande lição! Se querem ficar; se querem sair; se não querem comer… não importa, querem é sentir-se bem! E, se são contrariados, não ficam inertes.. alheios.. girando quietos em torno de algo que não querem mais… usam de todos os seus recursos para buscar um pouco mais de “bem estar”!

Somente continuam onde estavam ou agem contra as suas vontades, por questão de obediência e respeito aos adultos, mas apenas quando percebem que, naquela ocasião, não há mais nada a ser feito! Mas… jamais desistem antes de ao menos ter tentado…

E depois de crescermos… quantas coisas mesmo continuamos fazendo sem que nos agrade, sem que nos trague leveza, porque… porque mesmo?

Quantas vezes deixamos a inércia, o medo, ou o comodismo tomar conta de nós, por acharmos que a luta seria em vão? Ou por temer a luta?
Quantas vezes retardamos nossos sorrisos… por deixar de insistir por ao menos mais uns instantes?

Sim, as crianças encantam com seus sorrisos, gargalhadas; seus gestos carinhosos. Mas, a cada olhar, a cada questionamento, a cada gesto de “teimosia” trazem uma lição de persistência, que muitas vezes chegam a tirar a paciência daqueles que estão ao redor, pois somos incapazes de perceber as lições de sua insistência.

E esta situação, me põe a pensar: e nós, nas adversidades e necessidade de fazer algo de melhor por nós mesmos, conseguimos ser tão persistentes?

Josi Sonagli

Um dia “daqueles”: recarregar é preciso!

Todo mundo nesta vida já teve um dia daqueles: “um dia de cão”!
Agradem-se ou não com a notícia, ainda teremos ao longo da vida, muitos outros “dias de cão”! A propósito, chego a me perguntar a origem da expressão, já que – pelo que vejo – ser cão não é algo tão difícil assim!

Mas, deixemos a exatidão da expressão para outro momento! Trago agora a essência do que temos o hábito de chamar “um dia de cão”! É aquele dia em que você até levanta inspirado, e reza para que tudo de certo, ou que ao menos você termine o dia tranquilo mas… tudo dá errado!

Ou ficam as coisas incompletas, ou você recebe notícias que não queria, ou seu trabalho deu errado, ou recebeu críticas, ou levou um fora… ou tudo isso num só dia! E para completar, come uma comida horrível, encontra um cabelo no prato, rasga a roupa, e de quebra, quase bate, ou bate mesmo o carro! Arff!!!

E então passamos a pensar que Deus não existe! Que a gente merecia coisa melhor! Que nada nunca dá certo! Oh, quanto drama! Tanta coisa boa acontece e por causa de um só dia… “nada dá certo”!

A questão é que, muitas vezes “um dia de cão” acontece na nossa vida para dar uma “chacoalhada” na gente! Muitas vezes é mesmo hora de parar, de se dar um tempo, de cuidar um pouco de si, de procurar as coisas que lhe dão prazer e fazem sentido! E por vezes, tão presos na rotina frenética, acabamos…esquecendo de nós… das pequenas coisas que merecemos fazer por nós mesmos.. para mantermos a paz, a confiança e a energia necessária para seguir em frente!

Penso, eu, que muitas vezes, quando “um dia de cão” torna-se muito frequente em nossa vida… é porque é realmente hora de se permitir um tempo, e fazer algo por si! O problema é que quando se está enfezado, fica difícil achar algo que te traga de volta ao eixo!

Mas o que fazer então? Penso que em primeiro lugar é importante a gente aceitar o momento “de cão”, como um período necessário na nossa vida… porque uma vida sempre perfeitinha… fala sério.. é entediante! Segundo, é não ficar parado, esperando as coisas passarem!

Até que passe o período de “Cão”, vamos então fazer qualquer coisa que possa “recarregar as nossas energias”! E isso, cada um que sabe o que lhe faz bem: dar uma arejada na praia, fazer uma massagem relaxante, quebrar a rotina para tomar um cafezinho no meio da tarde (se permita, vai lá!), acender uma vela e silenciar por alguns instantes, dar uma boa corrida (para mim, a melhor de todas as técnicas! Sempre infalível)… fazer alguns rituais de fé (cada um com a sua)… enfim… cuidar um pouquinho mais de si, e aceitar que a vida é isso mesmo, dias maravilhosos, dias médios, e dias ruins!

É humano, todo mundo passa por vários “períodos de cão”. Mas.. ficar lamentado, e se auto-punindo.. não vai mudar nada.. não vai transformar o dia.. apenas vai fazer com que o tumultuado período custe mais a passar… e assim.. pode ser que passe junto aquela tão desejada oportunidade…

Então, se esta é a sua semana, ou o seu mês ou, ainda o seu ano de “cão”, relaxe, vai passar! É o período que a vida está te trazendo para olhar um pouquinho mais por você mesmo, e se preparar para as coisas boas que estão ai por vir!

Josi Sonagli

As eleições estão aí…

eleitor

Por estar em casa no horário de almoço, todos os dias me pego assistindo o programa eleitoral das 13:00. Refletindo, necessitei expressar de alguma forma meu pensamento (talvez indignado) em relação às eleições municipais de 2013. Longe de fazer alguma apologia ideológica, a intenção é provocar no mínimo um pensamento reflexivo no leitor.

Os candidatos a uma vaga na câmarase parecem mais com candidatos a milagreiros do que qualquer outra coisa. Desde que me conheço por gente ouço os candidatos prometendo melhorias na saúde, educação, valorização dos professores e apoio ao esporte. Promessas referentes à legalização da maconha e apoio aos animais abandonados são trunfos mais recentes. Nos meus quase 30 anos, vejo algumas mudanças nas cidades, mais prédios, mais ruas, a guarda municipal que cuida do trânsito, alguns shoppings e até alguns postos de saúde a mais. Mudanças em sua maioria de estrutura física, que de certa forma, acompanham o aumento populacional. Infelizmente os problemas reais, como filas na saúde devido à falta de médico, baixos salários aos professores, falta de creches municipais, falta de incentivo para atletas e aos esportes no geral, saneamento básico inexistente e corrupção, estão aí e parecem aumentar na mesma proporção que se multiplicam as pessoas.

Devemos ter a consciência da verdadeira função do vereador, que é legislar em nível municipal, redigir projetos que devam ser votados por todos os componentes da Câmara. Vereador não define nada sozinho, muito menos orçamento pra isso ou aquilo.O vereador é um representante da população que identifica problemas no município e formula projetos para que esses sejam resolvidos, sempre dependendo da aprovação dos outros colegas.

Acredito que as coisas não mudem por dois motivos: o primeiro é a incapacidade da maioria dos vereadores eleitos em legislar, não possuem requisitos intelectuais e também não se “equipam” de pessoas que os auxiliem verdadeiramente. Contratam auxiliares de gabinete sem capacidades técnicas, amigos ou familiares, muitas vezes portroca de favores oriundos do período eleitoral. O segundo motivo pelo qual as cidades permaneçam sempre com as mesmas deficiências é a atitude do eleitor, do povo no geral, que fecha os olhos para a política eleitoral durante 4 anos, e finge que lembra de alguma coisa durante a eleição. Não somos acostumados a cobrar da pessoa na qual votamos. Aliás… você lembra em quem votou na eleição passada?

Alegamos indisponibilidade (pra não dizer preguiça)de “se envolver em política”, e ainda, colocamos a culpa na própria política, na falta de respeito dos que comandam. Sim eles não nos respeitam, mas é justamente por permitirmos. Normalmente votamos em algum amigo, conhecido de parente ou ainda decidimos nosso voto um dia antes da eleição por simples simpatia à proposta e figura do candidato. Dificilmente tomamos conhecimento da vida pregressa do indivíduo, seu trabalho na sociedade ou mesmo conhecemos sua formação intelectual. Não valorizamos nosso voto, acabamos por banalizar esse ato tão importante.

No dia da eleição, ou mesmo antes, tentemos ser mais interessados pela escolha do vereador que receberá nossa confiança. Sabemos que os candidatos não são lá essas coisas, mas observemos que no mínimo dos mínimos as promessas tenham coerência, e que sejam propostas possíveis, compatíveis com a função que irão exercer. Na década de 80 a luta por democracia foi grande, agora, honremos esse direito!

Bom voto!

Mel