A BELA HISTÓRIA QUE EU QUERIA ESQUECER

Havia uma história que eu queria esquecer.
Não que não fosse uma boa história, mas, como tudo na vida, ela chegara ao fim.
E então, era preciso arrancar as raízes do aterro da alma, para que, livre, a alma pudesse viver novas histórias.

Mas o que fazer, se a história não te liberta? Se as raízes mais parecem feitas de concreto, do que de lembranças?

Desapegar é preciso; porém não é fácil. Decidi utilizar diversos recursos.

Outrora, uma estimada amiga – pessoa de grande espiritualidade – disse-me que nos momentos mais cruéis da vida podemos recarregar as forças com a energia divina, e utilizar, para isso, os recursos da natureza. Disse-me ela para que, quando eu sentisse necessidade, me colocasse em contato com os quatro elementos da natureza: terra, fogo, água e ar, ao mesmo tempo.

Sim sim, na teoria tudo belo, bonito e interessante. O apreciar a natureza – algo que me é próprio – fez com que eu achasse isso tudo muito lindo. Então.. pensei… “a idéia é boa sim, mas dá muito trabalho”.

A complexidade de cada coisa é algo que a gente define a medida de nossa necessidade. E, sendo assim, no ápice do meu desespero, a ideia já não me pareceu tão trabalhosa assim.

Não era verão ainda, mas morar em uma cidade de praia te deixa pertinho das forças da natureza, em qualquer estação do ano. Fui para uma praia.

“Terei ar, terei terra (areia), terei água”, pensei. O fogo, naquele momento, era o meu principal elemento: reunir as coisas materiais que transformaram em concreto a raiz da história que eu queria esquecer.

E assim, lá fui eu, rumo ao meu último recurso para detonar as belas e cruéis lembranças que me impediam de seguir. Cheguei em uma das lindas praias da cidade, e, como ainda era inverno, o chão de areia era praticamente minha exclusividade. Alguns surfistas pegando onda, raros caminhantes pela praia, e eu, com a história que tinha que apagar.

De posse do material, peguei minha caixinha de fósforo, tentando fortemente acreditar, que alguns simples pedaços de papéis queimados pudessem arrancar do meu coração a história que findara. Fazer uma fogueira na praia não é lá das tarefas mais fáceis. Então, cavei um buraco na areia e lá coloquei tudo aquilo que já me impedia de pensar.

Fogo, para mim, sempre foi sinônimo de pavor. Porém, é incrível como a cada momento, diante de cada necessidade, somos levados a ter uma nova percepção de cada coisa. E então, me vi ali, na imensidão daquela bela praia, sentada naquela areia fina, com uma brisa maravilhosa na face, e minha pequena fogueira, que aos poucos, fazia com que eu descobrisse, no fogo, um instrumento libertador.

Era meio espantoso tudo isso.. de um lado minha alma parecia estar ficando mais leve… de outro… eu parecia uma pessoa muito sem noção, queimando coisinhas em um buraco de areia na praia. Dá para ter noção? Acredite, cheguei até a acender um incenso (sim, consegui) para completar meu ritual! “Se é para apelar, que seja por inteiro”!

Mas, era, simplesmente, uma história que minha mente precisava apagar.

O fogo então acabou… olhei as cinzas das lembranças… imagine… a vontade é querer levar as cinzas embora, junto comigo! Mas olhe, a incoerência! Não fui ali mesmo para apagar? O que mais vou querer carregar, oh céus?!?!

E num ímpeto insano, peguei aquelas cinzas já misturadas com areia, e fui correndo em direção ao mar! Soltei tudo aos ventos, para que a vida levasse o que a alma não deixava, e enfim, me libertasse para o que mais eu ainda ansiava realizar!

Não posso explicar aqui, em palavras, o que senti ao ver o vento levando as cinzas daquelas boas lembranças, mas foi algo surpreendentemente libertador.

Parece sim, coisa louca, uma coisa nada a ver! Sim reconheço! Mas é realmente impressionante o que alguns pequenos gestos podem trazer de revitalizador para nossa alma!

Hoje já não me preocupo mais se as coisas que farei parecerão insanas ou sem sentido; se parecerão perda de tempo ou bobagem! Preocupa-me, apenas, fazer qualquer coisa que traga a paz e o equilíbrio, e que minha alma tenha sempre leveza ao viver!

Josi Sonagli

Anúncios

3 thoughts on “A BELA HISTÓRIA QUE EU QUERIA ESQUECER

  1. Eu aprendi, Josi, que existe ainda um 5º elemento na natureza: A Compaixão ou o Amor Universal.
    E segundo a carta dos anjos compaixão é “a compreensão sincera da condição humana que engloba a dor pessoal e a dor de outrem, dissolve julgamentos e abre caminhos para a aceitação. Um desejo sincero de aliviar o sofrimento.”
    Acho que nessa experiência que tu narraste viveste muito esse 5º elemento também. =)
    Parabéns pelo texto e pela coragem!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s