Responsabilidade e sorte


O que diferencia uma pessoa nascer numa família rica e estruturada e outra em uma pobre sem condições? Sorte?

Entendo que sim. Pensando dessa forma, todos que tem essa sorte e vamos definir que sorte é ter família, não precisa ser rica, basta ter o suficiente para se viver dignamente. Com possibilidade de ter uma casa, possibilidade de estudo e de viajar nas férias quando possível.

Voltando, se nós, os sortudos. Entendo que toda pessoa que estiver lendo esse texto, provavelmente, se inclui no que descrevi acima tem uma grande responsabilidade. Vejo a seguinte situação. Nós que tivemos oportunidades temos responsabilidade sobre os que não tiveram a mesma sorte.

Penso da seguinte maneira, se nós por uma questão de sorte estamos nessa situação, e não fizermos nada para compensar, digamos o azar de nosso irmão o que estamos fazendo aqui?

Pior, pense agora assim, se os papeis fossem invertidos e nós fossemos o azarado da questão. Como ficaríamos sabendo que os que podem fazer algo, não o fazem?

Colocar a responsabilidade sobre os políticos é muito cômodo. Temos responsabilidade sim. Pela diferença social que existe, pela falta de emprego, pela discriminação, por tudo que em princípio não esta como deveria estar.

Penso assim, e não vejo outra forma de viver tranquilo sendo de outra maneira. Não consigo ser indiferente ao próximo. E não estou aqui dizendo que sei como resolver estes problemas e sim que tenho consciência sobre os mesmos e acho que a responsabilidade sobre eles é de todos, principalmente de mim, de ti, de nós, dos sortudos…

Anúncios

9 thoughts on “Responsabilidade e sorte

  1. Sorte ou azar? Realmente não sei responder…O meu olhar é reflexivo e crítico, pois acredito que é compromisso social, individual e cristão agir em prol dos excluídos que são milhões por falta de solidariedade, de oportunidades de trabalho, de saúde, mobilização social, falta de uma educação emancipatória e tudo isso persiste, porque permitimos com nossa omissão, com nosso egoísmo…Na prática, cabe a cada um fazer alguma coisa (mesmo pequenina) e podemos além das ações concretas quem sabe, votar melhor nas próximas eleições…

  2. Parabéns, Frederico!!! Penso como tu: cada um fazendo a sua parte e este mundo será um bem melhor!!!

  3. Fred parabéns pelo texto, conseguiu tocar em algo que admiro muito em você e no mundo, “ter pelo menos vontade de mudar” um pouquinho que seja dessa loucura toda que vivemos.
    Opinião todos tem, eu como um mero mortal tenho a minha.

    Família ajuda,
    sorte ajuda,
    estudo ajuda,
    “facilidades” ajudam,
    mas de nada serve tudo isso se não usamos para bem.

    abraços

  4. NÃO CONSIDERO, QUE SEJA QUESTÃO DE SORTE OU AZAR, QUANDO RELACIONADO A SER “BEM NASCIDO”, ISTO É SÓ UMA FACILIDADE Á MAIS, POIS NEM SEMPRE TEMOS UMA FAMILIA ESTRUTURADA, COM SAÚDE, SEM CONTAR OS ‘IMPREVISTOS”DE PERDAS INESPERADAS, VICIADOS, ENFIM TODO O TIPO DE SITUAÇÃO QUE PODE ACONTECER, TANTO , NO SORTUDO COM NOS DESPROVIDOS, AS CHANCES, NÃ VOU DIZER QUE SÃO AS MESMAS PELAS FACILIDADES MAIS DE UM QUE DO OUTRO, PORÉM, SABEMOS QUE; QUALQUER UM, PODE SE TORNAR UM POBRE RICO, OU RICO POBRE.
    TUDO DEPENDE DO LIVRE ARBITRIO DE CADA UM , TODOS SOMOS RESPONSÁVEIS EM FAZER A DIFERENÇA. DEVEMOS TER ATITUDES. TER RESPONSABILIDADES, COM O PRÓXIMO, COM A NATUREZA E PRINCIPALMENTE CONOSCO!!
    FREDERICO, FICO FELIZ PELA TUA INICIATIVA, ACHO INTERESSANTE,ESTA TROCA DE POSICIONAMENTO, PENSAMENTOS. BJS.
    MIRIAM

  5. Muito boa reflexão, Frederico! Nos dias de hoje, em que as pessoas são mais condicionadas a olhar somente para si, teu texto nos faz lembrar o quanto somos mesmo “sortudos”… estamos uma minoria que tem certos privilégios…
    É verdade que não temos como mudar o mundo inteiro, a realidade social.. as políticas públicas… mas posso ajudar as ações sociais que encabeçam movimentos de ajuda… que levam coisas do mundo para um povo tão alheio… que levam atenção e um pouco de bem estar a pessoas tão desafortunadas…. posso todo mês participar da festinha de aniversário dos internos de um orfanato, que recebem com o maior carinho tudo de simples que se faz por elas… impossível mudar o mundo todo… mas é muito fácil levar um pouco mais de conforto para o mundo de alguns… e muito gratificante também…

  6. Meu caro Amigo.
    Penso que a questão da “sorte” ou do “azar” pode ser amplamente discutida. A questão do dever ajudar os menos favorecidos, na minha modesta opinião, não é uma questão de discussão, é uma questão cultural. Penso que, por outro lado, ajudar não é suprir o que falta, mas – dentro do possível de cada um – as condições a que o indivíduo crie as suas próprias condições de melhorar aquilo que é e o que tem. Isso, sim, me parece discutível, porque implica em uma série muito grande de “necessidades” a serem resolvidas até que possamos alcançar o nível de vida que seja razoável àquele necessitado.
    Só para não me alongar, “sorte” e “azar”, a meu juízo, NÃO EXISTEM!
    Vou-lhes fazer uma pergunta: Se na concepção de vocês DEUS EXISTE e foi QUEM CREOU este Universo em que vivemos, nesta maravilhosa perfeição, que exige do homem o máximo da sua ciência, para que possa viajar no Cosmos, dentro de uma precisão de fração de segundos, colocaria Seres Humanos – também Sua creação – à sorte e ao azar? Como fica o “Livre Arbítrio”?
    Bem, são alguns dos questionamentos que tomo a liberdade de colocar, endossando o tema que o meu Amigo Frederico levanta para todos, hoje.
    Ah, e o termo é “CREAR”, mesmo. Porque ele significa “fazer surgir”; “criar” é dar condições ao que foi “creado” de se desenvolver…
    Abraço e desculpem eu ter me alongado, ok?
    PAX!

  7. Para mim nao e questao de sorte… e sim de linhagem… quem nasce numa familia estruturada vem de uma linhagem de pessoas estruturadas… jas os mais pobres… vem de uma linhagem de pobres… nao existe sorte… nao nascemos porque escolhemos numa familia rica ou pobre… nao foi deus que escolheu… cada um nasce onde tem que nascer… nao e o acaso e sim a continuacao da vida… cada um tem o que merece ter… o filho do rico tem riqueza… e o filho do pobre pobreza… porem isso nao vai determinar que a pessoa seja um vencedor ou um perdedor… ai e com cada… uma escolha individual…

  8. Fred,

    Na teoria é lindo e eu concordo contigo.
    Mas sinceramente? Me sinto atada na prática!

    Quem somos nós para mudar uma realidade social? O que está a nosso alcance?
    Confesso que não sei como ajudar…

    Infelizmente não sou capaz de pegar uma pá e fazer o saneamento básico das comunidades que precisam…
    Assim como não tenho capacidade para motivar professores mal pagos…

    De quem é o papel de modificar a qualidade de vida da população? O papel é da população de sortudos ou dos gestores públicos, eleitos pelo voto da sociedade e PAGOS por esta sociedade para resolver estes problemas?

    Os gestores são nossos FUNCIONÁRIOS, pagos com o rico dinheirinho dos SORTUDOS para administrarem políticas públicas.

    Cabe a nós melhorar a política pública? Como?
    O trabalho voluntário motivacional é realmente lindo mas é só uma gota no oceano…

    Como tudo, na teoria é lindo mas na prática a coisa é beeeem mais enrolada do que parece…

    Bjs
    Gabe

  9. Completamente certo Frederico….Todos deveriam ler e dar uma refletida sobre isso……
    bjbjbjbjbjbjjjbjb

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s