Gosto do que faço, ou faço o que gosto?

Faço o que gosto

Conversando com um amigo, discorríamos sobre os sonhos e frustrações da vida adulta. Tanto eu, como ele, resolvemos entrar para o serviço público, e obtivemos êxito. Não somos colegas, mas seguimos amigos.

A conversa chegou a um ponto muito interessante. Em alguns casos, muitas vezes temos que fazer coisas que não gostamos no trabalho, até ai nenhum problema, acredito que isso ocorre com praticamente todo mundo, no entanto, algo que ele comentou comigo, foi muito interessante.

Ele em conversa com seu pai, recebeu o seguinte conselho:

– Filho não temos que fazer sempre o que gostamos, e sim aprender a gostar do que formos fazer .

De um problema, saiu à própria solução. Vendo as coisas por este lado, muitas coisas são resolvidas. Se temos que fazer alguma coisa, e não está ao nosso alcance, não fazê-la, não seria melhor fazer com prazer?

Desenvolver um sentimento positivo na ação que deverá ser realizada?

Aquilo ficou na minha cabeça. Hoje dentro do possível aplico ela no meu dia-a-dia.  Óbvio que há coisas que realmente dão pouco, ou nenhum prazer, mas se tivermos uma atitude positiva, e encararmos sobre outra ótica, não se tornaram um fardo, e sim gerar até um pouco de satisfação, senão pelo prazer da atividade em si, mas sim por conseguirmos concretizar ela, de forma positiva.

Frederico da Luz – 03-04-2014