A libertação Pessoal

Quem nunca escutou uma frase dessas… Sou tímido, desastrado, medroso, inseguro… Para começar não acredito que nos rotulando estejamos fazendo algo positivo. O rótulo é uma forma de limitar e muito a percepção que temos de nós, e também a forma como os outros nos veem. Ninguém é igual a ninguém, mas os rótulos, onde estão inclusos os “estereótipos sociais” podem até ser considerados uma forma de discriminação.

Entendo que quando as pessoas se auto intitulam de uma forma, não possibilitam que este lado seu, na sua ótica, não muito explorado, seja desenvolvido e potencializado, por exemplo: sou tímido, logo, não tenho interesse em fazer um curso de teatro.

Pessoal ai esta o equívoco, se você, se julga de uma forma, e isto de certa forma incomoda você, por que não trabalhar e desenvolver esta habilidade? Temos potencial para fazer qualquer coisa, basta acreditar e trabalhar para que este potencial seja efetivamente explorado.

Agora alguns vão dizer… Não é fácil! Concordo em gênero, número e grau, no entanto, o que você prefere, explorar e trabalhar esta “dificuldade” ou ficar se rotulando, limitando seu crescimento tanto pessoal como profissional?

Não me entendam mal, não estou dizendo que não temos características marcantes, que tanto nós como os outros percebem, e sim, apenas que estas características podem mudar e evoluir. Penso que não somos chatos, tristes, mal humorados, mas ficamos assim em determinado momento, acredito que ninguém é na verdade, todo mundo está.

Estamos em constante transformação, não paramos de crescer e evoluir, para isso é preciso força de vontade e coragem em superar nossos medos e fraquezas. Não se assustem todo mundo tem os seus, a questão é saber trabalhá-los da melhor forma.

E ai qual sua escolha, ficar na comodidade de seus rótulos? Ou trabalhar seu potencial, enfrentar e superar seus medos e conquistar o mundo?

Frederico da Luz – 01-11-2010