Relações – O poder que não temos

Relações
Vivemos em sociedade, temos relações com diversas pessoas família, amigos, conhecidos, enfim todo tipo de gente. Quando nos relacionamos, algumas “divergências” acontecem, somos diferentes, pensamos de forma diferente.

Entendo que estas “divergências” surgem porque normalmente gostaríamos que as pessoas agissem de determinada maneira. De certa forma queremos ter um tipo de poder, para que façam o que gostaríamos. Não percebemos o lado positivo de tudo isso, as pessoas crescem e aprendem justamente por serem diferentes, por pensarem diferentes, isso nos permite ver as situações de outro ponto de vista.

Algumas vezes, amigos ficam chateados por determinado fato, isso é normal. Só que entendo que a verdadeira a amizade não é esperar do outro o que a gente quer, e sim o que ele pode nos dar, e sem expectativas ou cobranças. A amizade é um sentimento nobre e deve ser vivenciado de forma plena, respeitando o outro, sua individualidade e característica, não querendo moldá-lo a um padrão que achamos o ideal.

Temos o direito de ficar chateado com determinada atitude e situação? Talvez sim, mas vale todo o dispêndio de energia ruim, ao invés de potencializarmos algo positivo, e crescermos com tal acontecimento?

Ser humilde e entender, que não temos todo esse poder é algo positivo e agregador. Estando ciente de nossa capacidade e incapacidade, podemos crescer com as diferenças, ser surpreendidos pela individualidade e feliz pela vida nos proporcionar tudo isso, simplesmente com o convívio com o outro.

Frederico A. S. da Luz – 07-12-2012