Críticas: tê-las ou não tê-las?

Não existe, no mundo, alguém que fique feliz ao receber uma crítica. Há aqueles que afirmam não teme-las.. mas, embora admire a ousadia, creio que é mais uma forma de superação do que uma verdade propriamente dita.

Em geral, fazemos as coisas sempre acreditando estarmos fazendo o melhor. Seja trabalhando, seja em nossos relacionamentos, seja nas coisas mais banais, a proposta da grande maioria das pessoas é superar-se, dar o melhor de si.

Porém, não precisa ter muito conhecimento para sabermos que dificilmente (para não dizer jamais) agradaremos a todas as pessoas. Existem pessoas que nos admirarão e valorizarão cada passo nosso, porém as mesmas condutas, submetidas a outros olhos, podem ter um juízo de completa reprovação.

Quem já se submeteu a uma banca julgadora, que o diga.
Outro dia me vi assim, submetida a diversos avaliadores. E apresentando um único trabalho a todos eles, recebi os mais diversos comentários de avaliação: há os que afirmarem ser o melhor dos trabalhos já vistos, destacando os detalhes que mais apreciaram, enquanto outros, porém, levantaram as mais diversas críticas.

E neste impasse a primeira pergunta que nos vem a tona é: em quem eu acredito? Se todos os avaliadores tem o mesmo nível de instrução, qual estará fazendo o juízo mais acertado?

Concluí – sem sombra de dúvidas – que inexiste uma resposta correta. Seres humanos que somos, dotados de alta carga de subjetividade, cujos gostos e valores variam não apenas por critérios íntimos, mas também por influências culturais e de grupos de pessoa afins, a todo tempo acabamos tendo os mais diversos julgamentos, sendo impossível chegar-se a um só consenso sobre determinada matéria.

E assim, passado o aborrecimento inicial decorrente das críticas recebidas, é inquestionável a grandeza que se pode extrai delas. Eu, particularmente, penso em evoluir, e aprimorar muitas coisas nas minhas condutas e formas de ver a vida… mas, sei que, sozinha, sou incapaz de perceber tudo que precisa ser lapidado! Reconheço que as indesejadas críticas são sim indispensáveis no meu processo evolutivo. Depois daquele sentimento que nos vem, de querer explicar aos críticos o motivo de cada conduta, reconheci que muitas das observações tinham sim grande pertinência e, no fundo, eram as deficiência que eu mesma já havia observado.

Pois bem… se eu mesmo já sabia… porque então mesmo que fiquei aborrecida? As críticas são o espelho que a gente precisa para poder reparar aquilo que nós mesmos sabemos que precisa ser revisto…mas por alguma razão… acabamos deixando desapercebido…

Não temos que concordar com tudo que ouvímos; e ninguém tem que concordar com tudo que fazemos. Mas é nobre e revela sabedoria ouvir do outro o que tem a dizer: acolho o que acho pertinente e o que não acho, ouço, respeito e sigo em frente!

Josi Sonagli

Anúncios

Meu “inimigo”, o meu espelho

Você tem alguém que considere inimigo? Talvez não seja essa a palavra, que não tenha simpatia por determinada pessoa, devido a algum ou vários motivos? Entendo que dificilmente alguém não visualize uma pessoa que se encaixe nesse perfil, ou você ama todo mundo? Como gostaria de ser assim, mas não consigo, tem pessoas que eu não gosto, não sei explicar o porquê.

Hoje já consigo identificar a real função dessas pessoas em minha vida. Vamos pensar assim, sigam meu raciocínio, tenho muito claro isso. As pessoas com quem não temos afinidade retratam algo que não conseguimos trabalhar em nós mesmos, simplificando, elas têm uma característica que não temos, algo que gostaríamos de ter. Reflitam a respeito, isso não acontece com você?

Na minha infância brigava muito com um primo, às vezes ele dava motivo, outras não, minha tolerância em relação a ele era mínima, já em relação a outras pessoas não. Hoje consigo visualizar o porquê de minha atitude. Eu gostaria de ter o jeito descolado que ele levava a vida, eu queria ser assim no fundo, mas não conseguia, já ele era assim. Vejo que isso era a tão falada inveja, eu queria aquilo, mas não sabia como, e minha revolta não era em relação a ele, e sim em relação a mim mesmo, interessante não?

Mais uma vez reforço e acho importante salientar, que meus textos não são científicos, ou seja, não sei se estou “certo” ou “errado”, são apenas reflexões minhas a respeito da vida e do cotidiano, que gosto de expor, se ajudar alguém com isso, estou realizado.

Frederico da Luz – 16-11-2010