Depressão é frescura!

Eu, como um bom gaúcho do interior do Rio Grande do Sul, sempre achei que a afirmação contida no título fosse verdade. E sabem o que aconteceu? Tive depressão. É algo que não tem descrição, na verdade, trata-se de uma dor na alma, no fundo, no íntimo, não há remédio que cure. Quando se está em um quadro assim, não se vê saída, parece que não há saída, e até a questão do suicídio tornar-se, em alguns casos, realidade.

Em todos os casos, principalmente nos mais graves, é essencial que haja a ajuda de um profissional qualificado. Eu já perdi a conta de quantos terapeutas tive, confesso que sempre tive sorte. Foram raros os casos em que não obtive certa melhora. A questão da terapia é muito pessoal, caso não exista confiança no profissional, não há terapia, e sim uma perda de tempo de ambos os lados.

Para sair desse quadro é necessário fazer um movimento de observação. Sair de dentro do ciclo e visualizá-lo como um observador. Sempre que tiramos a pedrinha do nosso olho (texto – a teoria da pedrinha), fica tudo mais fácil. Só que isso às vezes demora, e a dor que se sente é muito grande.

Certos profissionais, tais como os psiquiatras, adotam a medicação como paliativo, alguns como solução. Na minha humilde e leiga opinião, acredito que o uso de medicamentos deve se dar apenas em último caso, como último recurso. Já usei antidepressivos, e a melhora que tive, entendo que não esteja relacionada a eles. Essa é minha opinião, de um leigo que passou por uma depressão, ficou claro?

Quem faz, fez, ou fará tratamento nesse sentido, escolha um profissional e siga suas orientações. É o correto a fazer.
A depressão, apesar de todo esse lado negativo, ruim e pesado, que é de uma dor que não tem remédio, é também uma oportunidade única de crescimento, de se conhecer e com isso nunca mais estar em um quadro desses novamente. Só que há que se encarar a situação de frente, fazer terapia, a qual é, na minha opinião, a forma de se resolver a questão. É uma escolha sem volta.

Chega um momento que tu muda ou troca de profissional, e volta ao mesmo ciclo. Não estou falando aqui que não se deve trocar de profissional quando ele, no seu entendimento, não é adequado, mas sim de trocá-lo, pois ele achou o ponto e isso demora algum tempo, antes é preciso que ele conheça a fundo o paciente. Falo isso, pois já troquei de terapeuta, quando a coisa começa a complicar, entendo que, na verdade, eu não estava preparado para trabalhar algumas questões, e aí vem a fuga.

Enfim, a depressão é “foda”. Nunca brinque ou ironize de qualquer forma alguém que esteja nesse quadro, só quem passa e vive isso, sabe o quando dói e é difícil. Só que passa, como tudo e o que se aprende é levado para toda a vida.

Frederico A. S. da Luz – 13-05-2012

Anúncios